Pandemia: ações para empresas e pessoas no Brasil

//Pandemia: ações para empresas e pessoas no Brasil
Imagem de fundo branco com um retângulo amarelo no canto inferior esquerdo e ao lado uma lâmpada representando uma ideia. Na imagem está escrito: "Ações que estão Contribuindo com Empresas e Pessoas na Pandemia de COVID-19"

Com uma situação diferente, as pessoas tiveram que se adaptar ao novo ‘estilo de vida’ e isso se estende às empresas, gerando um novo desafio: “como manter os negócios sem perder o foco nas pessoas?”. A solução é bem simples: ajudar. Primeiro pensando como pessoa para, em seguida, pensar como profissionais.

Ainda que sem respostas para questões da pandemia, sua empresa pode fazer a diferença com boas práticas e exemplos concretos. Sendo assim, trouxemos algumas ações de marcas conhecidas que se adaptaram muito bem nesse momento e causaram impacto social real.

Ambev: Um caso que teve grande impacto logo no inicio da pandemia foi a ação da Ambev em produzir álcool em gel e protetores faciais com garrafas pet, itens que foram doados aos hospitais. Além disso, apoiaram a ampliação de um hospital municipal, em São Paulo, entregando novos leitos para pacientes com coronavírus. Posteriormente, a marca também incentivou produtores menores via um canal digital e no e-commerce, o Empório da Cerveja. A gigante disponibilizou marcas produzidas por cervejarias artesanais que podem, ter parte da sua produção comercializada.

Pão de Açúcar: é um dos maiores mercados do Rio de Janeiro. Tem atualizado constantemente o e-commerce, tanto oferecendo horário de atendimento exclusivo para idosos, ou dando prioridade na entrega para clientes com 60 anos ou mais.

Airbnb: O serviço de reserva de casas adotou para uma política de cancelamento das reservas sem pagamentos de taxas, válidas para anfitriões como para hóspedes.

Vivo: a empresa de telecomunicações centralizou a comunicação das suas ações, incluindo bônus de celular, internet e a abertura de canais de TV pagos aos assinantes.

Nubank: está destinando cerca de R$ 20 milhões em descontos para clientes em diferentes áreas. Por exemplo: saúde, emocional, cuidados com pet, entre outras.

Domino’s: a pizzaria e outros apps de delivery tiveram que se adaptar a nova realidade e com isso ofereceram a opção de entrega sem contato físico.

Gympass: a startup de academias antecipou pagamentos aos parceiros e começou a transmitir aulas no seu próprio site.

Magazine Luiza: o grande varejista do país lançou a plataforma “Parceiro Magalu”. Nela, autônomos e varejistas podem vender seus produtos sem o pagamento de taxas durante o isolamento social.

Avon: a marca de revenda de cosméticos aumentou o acesso aos produtos como sabonetes e álcool em gel álem de ampliar o prazo de vencimento das suas colaboradoras.

Loft: startup paulistana, criou um fundo de R$ 5 milhões para trabalhadores da construção civil, garantindo que seus colaboradores fiquem em casa e com renda durante a quarentena.

Mercado Livre: o e-commerce incentiva os usuários a fazerem todas as suas compras sem sair de casa. Criou a campanha “Juntos. De mãos dadas ou não” além de mudar sua identidade visual. Por exemplo logo, antes de mãos dadas, virou um “cumprimento de cotovelo”. A marca foi rápida ao mudar o tom em meio à pandemia, reforçando que precisamos evitar o contato social, mas que podemos nos manter fortes e unidos neste momento.

Com todos esses exemplos, sua marca ou empresa pode ter alguma direção para navegar em tempos incertos.

Fonte: Google Think

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.